14 de junho de 2011

Mais Tardif: docentes divididos lutam contra si mesmos

"Sou um professor de profissão. No Canadá, durante dez anos, ensinei num nível que corresponde mais ou menos ao fim do ensino médio no Brasil, e ensino há dez anos na universidade. Ora, o que vejo em meu país e em muitos outros é uma profissão docente dividida que luta muitas vezes contra si mesma: os professores do secundário criticam a competência e o valor dos professores do primário; os professores do primário e do secundário criticam os professores universitários, cujas pesquisas acham inúteis e demasiado abstratas; os professores universitários, que muitas vezes se consideram guardiães do saber e estão cheios de seus próprios conhecimentos, criticam os professores de profissão, pois julgam-nos apegados demais às tradições e rotinas. Por toda parte reinam hierarquias simbólicas e materiais estéreis entre os professores dos diferentes níveis de ensino".

Defendo, portanto, a unidade da profissão docente do pré-escolar à universidade. Seremos reconhecidos socialmente como sujeitos do conhecimento e verdadeiros atores sociais quando começarmos a reconhecer-nos uns aos outros como pessoas competentes, pares iguais que podem aprender uns com os outros. Diante de outro professor, seja ele do pré-escolar ou da universidade, nada tenho a mostrar ou provar - mas posso aprender com ele como realizar melhor nosso ofício comum".

(TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. p. 244)

Eis o desafio que está colocado diante de nós!

Um comentário:

Francineide Pires disse...

Gostei da síntese. Vou ler o livro. Obrigada,