30 de maio de 2011

Wilson Martins explica a identidade do povo piauiense

Em reportagem do Portal G1, o Governador do Piauí explicou porque o piauiense não aproveita a abundância hídrica do Vale do Gurgéia. Veja o elucidativo depoimento concedido à reportagem:

Em Teresina, capital do Piauí, o governador Wilson Martins falou sobre a falta de aproveitamento da água dos poços jorrantes. “Falta vocação do povo para o trabalho na agricultura irrigada. Ao longo dos anos, o estado do Piauí foi colonizado por vaqueiros. Essas pessoas se acostumaram e plantaram o que precisavam para comer e sobrasse algum tostão para comprar uma roupa ou um calçado. E se acomodaram desta forma. Não se muda a cultura de um povo da noite para o dia. Muda-se aos poucos”, explica.

Mas para espanto da população do Vale do Gurgeia, no alto da serra nem é preciso furar poço para produzir. Só com a água da chuva os agricultores gaúchos estão produzindo arroz, feijão, soja, milho e algodão.


Então é isso, Governador, agricultores gaúchos estão salvando da miséria o acomodado povo piauiense?

Vejamos mais um trecho da reportagem:

Há oito anos, Uruçuí não tinha sequer uma escola de segundo grau. Hoje, conta com um campus da Universidade Estadual do Piauí. O engenheiro agrônomo Jodélcio Luz foi diplomado na primeira turma da universidade e encontrou trabalho na sede da maior empresa de armazenagem e beneficiamento de grãos do Piauí.

“Hoje, temos 83 funcionários diretos. É algo em torno de 63 parceiros. Noventa por cento dessa quantidade é mão de obra local. Isso prova a oportunidade e a expansão que a região está mostrando”, avalia.

A empresa, uma multinacional holandesa, esmaga 730 mil toneladas de soja por ano, o que representa cerca de 80% da safra colhida no estado. Os produtos são vendidos para o mercado nordestino. O farelo é transformado em ração animal. O óleo é refinado para o consumo humano.

O Blog quer saber: por acaso soja é item da cesta básica de alimentação dos brasileiros??? Alguém pode me explicar quem come tanta soja???

Nenhum comentário: