23 de maio de 2010

Nasce um grupo de pesquisa

Há tempos eu desejava criar um grupo de pesquisa reunindo pessoas com interesses em comum. No Rio, a prevalência dos interesses comerciais das instituições privadas de ensino superior nas quais atuei era o principal obstáculo a vencer. Quando a única coisa que se espera do professor universitário é lecionar e não se admite remunerar nada além do tempo em que este profissional permanece em sala de aula, não há pesquisa que prospere.

Prestes a completar um ano de exercício no magistério superior na UFPI, consegui – junto com um seleto e abnegado grupo de alunos de graduação e mestrado em História, além de uma mestra em Comunicação Social – criar o Grupo de Pesquisa em História Social, Memória e Narrativas, cadastrado no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq. Ontem, sábado, dia 22 de maio de 2010, realizamos nossa primeira reunião. Desde já, percebe-se um denominador comum nos projetos de pesquisa e trabalhos dos integrantes do grupo: um interesse especial pela imprensa, seja como objeto de pesquisa, seja como fonte de investigação. Neste grupo, há trabalhos sobre a atuação de Lima Barreto na imprensa do Rio de Janeiro; o papel desempenhado pelo jornal O Monitor na difusão do projeto político de modernização do Estado do Piauí; o engajamento de intelectuais como Higino Cunha na luta contra o analfabetismo em Teresina; o empenho de Chiquinho Cazuza em “escrever” a história de Altos (PI) através do periódico O Altoense; as representações da cidade de Parnaíba (PI) através da obra Beira rio beira vida, do escritor piauiense Assis Brasil; e o fazer jornalístico contra-hegemônico da revista Caros Amigos. Por ora, todos estamos abrigados numa linha de pesquisa sobre História, Imprensa e Literatura.

Os estudos e pesquisas sobre história da imprensa estão em fase de expansão e consolidação. Isto se reflete, por exemplo, na realização do I Encontro de História da Mídia do Nordeste, na UFRN, em Natal, nos últimos dias 13 e 14 de maio do corrente ano – no qual nos fizemos representar. É nessa seara que pretendemos nos inserir, dialogando com todos os que militam na pesquisa sobre esse tema da maior relevância na atualidade.

Assim sendo, registro aqui Na Bruzundanga esse acontecimento que certamente seria motivo de regozijo ao autor de Os Brunzundangas, que já naquele início do século XX percebia a importância de se produzir uma análise crítica sobre tudo que é veiculado através dos meios de comunicação. Afinal, a mídia – bem como os jornalistas, escritores e intelectuais de todo jaez que nela atuam e atuaram - por aqui já fez e desfez muitas coisas. Isto por si só a qualifica como agente privilegiado da história e objeto de nossas investigações.

E nada melhor do que evocar o próprio Lima Barreto para respaldar nossas preocupações. Através de seu personagem Isaías Caminha, ele descreve um pouco da percepção que tinha dos jornais de sua época: “eu senti que tinha travado conhecimento com um engenhoso aparelho de aparições e eclipses, espécie complicada de tablado de mágica e espelho prestidigitador, provocando ilusões, fantasmagorias, ressurgimentos, glorificações e apoteoses com pedacinhos de chumbo, uma máquina Marinoni e a estupidez das multidões. Era a Imprensa, a Omnipotente (sic) Imprensa, o quarto poder fora da Constituição!” (BARRETO, A H. de Lima. “Recordações do escrivão Isaías Caminha” in Lima Barreto: prosa seleta. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2001. p. 192-193)

PS – Antes que alguém nos acuse de estarmos defasados, sabemos muito bem que o conceito de quarto poder está superado. Mas na pena de Lima Barreto, vale como registro histórico.

2 comentários:

Maria disse...

Parabéns professor e boa sorte com seu grupo de pesquisa. Estou ligadinha acompanhando o seu blog.Tenho certeza que será um sucesso!Você merece.
Junca

Sidonio Macedo Jr disse...

Denilson,
Pois é. Com a exploração profissional feita pelas fábricas de diplomas, perdem os alunos.
Quisera ter eu a oportunidade de integrar este grupo. O assunto me instigou e interessou bastante.
Fico muito feliz em saber que o Piaí tem sido generoso contigo ao lhe dar oportunidade de por em prática sonhos de melhor educação nessa nossa Bruzundanga.
Estou lançando meu blog OUTRAS PALAVRAS (www.sidonio.com.br) e o seu está linkado nos meus indicados.
Forte abraço!
Sidonio Macedo Jr
Jornalista / RJ