6 de dezembro de 2009

O Brasil visto através do futebol: muito além das quatro linhas que cercam o campo

Na geral e no particular

Na Grécia antiga, os Jogos Olímpicos praticados em homenagem aos deuses estancavam temporariamente as rivalidades entre as "polei" e revelavam o funcionamento de uma cidadania restritiva, garantida pelo escravismo.


Em Roma, os "ludi circenses", patrocinados por poderosos, envolviam sacrifícios humanos endereçados aos deuses e ao povo romano, deslocando os cidadãos das arenas para as arquibancadas.

Na Europa medieval, os torneios revelavam uma autocelebração que visava a afirmação simbólica e social do etos da aristocracia militar.

No caso brasileiro, o futebol poderia ser tomado como uma das janelas privilegiadas para a compreensão da sociedade?

Sim, com algumas cautelas que afastem a análise do senso comum que transformou o futebol numa gangorra impulsionada por frustrações e projeções de um pretenso caráter nacional.

O Brasil não é "o país do futebol" mais do que a Argentina, a Inglaterra e a Itália, onde sua prática é também capaz de potencializar e expressar determinadas tensões sociais.

O estilo brasileiro não se diferencia do "jogo duro dos gringos" por uma predisposição natural nem devido à miscigenação étnica. O drible -insulto gestual sem violência, criativo domínio da bola, do corpo, do tempo e do espaço para iludir o adversário- não é uma prerrogativa brasileira.

A existência hoje de um "estilo brasileiro de jogar", entendido como o manejo particular de um repertório de habilidades técnicas e táticas individuais e coletivas, deve ser posta em xeque devido à diversidade regional do país e ao embaralhamento provocado pela globalização.

Plateia emergente

De maneira geral, uma claudicante e excludente cidadania se revela nos estádios, onde os espaços de expectação se sofisticam a cada dia como espaços de diferenciação social.

A despeito das divergências político-partidárias, a mesmice ideológica brasileira consagrou como símbolo da sua emergência um outrora ruidoso sindicalista, hoje embalado em Armani, embebido em Romanée Conti e transformado em eficiente síndico de condomínio.

Os estádios também revelam nosso Brasil emergente. De um lado, ao subtrair à vista os setores subalternos, eliminando ou diminuindo as áreas anteriormente ocupadas pelos "geraldinos" e "arquibaldos". De outro, mirando sob holofotes os lugares de antigos e novos privilegiados, ostentadores de dignidades e reluzentes cartões de crédito. Independentemente das cores dos clubes, a plateia se distingue com seus uniformes sociais.

Sob a contagiante coreografia das organizadas e sob a violência dos confrontos entre as torcidas, revela-se o descompasso entre a condução administrativa dos clubes e uma demanda difusa (e confusa) por intervenção nesses mesmos clubes.

A incorporação da torcida ao processo político é mediada pelas práticas oligárquicas da cartolagem. Com as vitórias, legitimam-se os dirigentes e endeusam-se os atletas. Com as derrotas...

Mais graves são os indícios de penetração do crime organizado em certas torcidas. Gravíssimos são os rumores de que os confrontos entre torcedores podem passar a ser mediados por regras estabelecidas a partir dessa nova situação.

O Brasil das arquibancadas oferece um retrato preocupante da transferência de responsabilidades e da incapacidade dos poderes públicos.

Luta de classes

Por outro lado, o Campeonato Brasileiro da Série A revela a brutal concentração de clubes do Sul-Sudeste (16 contra 3 do Nordeste e 1 do Centro-Oeste).

Na Série B, a situação é um pouco diversa (11 do Sul-Sudeste, 6 do Nordeste e 3 do Centro-Oeste). Na disputa da Série C, há uma melhor distribuição (8 do Sul-Sudeste, 6 do Nordeste, 3 do Centro-Oeste e 3 do Norte).

É um truísmo apontar a concentração regional de renda como causadora dessa situação.

Significativamente, o campeonato que se encerra hoje pode ser decidido pelas questões locais.

Como na política brasileira, não se pode ignorar o peso das rivalidades na articulação das alianças e composições. "Rivalis", em latim, significa concorrente e também aqueles que habitam as margens do mesmo rio (em termos jurídicos, que detêm conjuntamente a posse de um rio).

Como a rivalidade é amplificada pela proximidade e pelo convívio, não serão surpresas, portanto, as derrotas de Grêmio e Santos para prejudicar, respectivamente, Internacional e Palmeiras.

Como não foi surpreendente o "empenho" da equipe do Corinthians contra o Flamengo no último domingo.

No tormentoso movimento das rivalidades (e alianças) entre os torcedores e das debilidades do exercício de uma cidadania crítica e participativa, cabe uma menção à Resistência Coral. Como outras torcidas ultras de esquerda no mundo, a ruidosa torcida do Ferroviário Atlético Clube do Ceará é anticapitalista e propõe o combate ao fascismo, à homofobia e ao racismo.

"Nem guerra entre torcidas, nem paz entre classes" é a palavra de ordem entoada nas arquibancadas. Como a sólida ilusão do futebol se desmancha no ar, apesar de anunciar o clube como "orgulho da classe operária", a torcida angaria a maior parte de seus simpatizantes entre intelectuais e setores das elites.

Afinal, eles também são filhos do Brasil.

FLAVIO DE CAMPOS leciona história social na Universidade de São Paulo e é coordenador do 1º Simpósio de Estudos sobre Futebol, que ocorrerá em maio de 2010 em SP.

Publicado na Folha de S. Paulo em 6 de dezembro de 2009.

Nenhum comentário: