8 de novembro de 2009

Culpar a vítima: essa foi a estratégia

Culpe a vítima. Essa foi a estratégia utilizada pela Uniban para, vá lá, "reduzir os danos" provocados pelo "affaire" Geisy. Acho que não chamaram ninguém do Departamento de Marketing para a reunião que definiu a expulsão. Nem da Pedagogia, nem o professor de Ética (se é que têm um).

Chamaram apenas alguém do Jurídico, o qual concluiu que a agora ex-aluna violou o artigo 215 e seguintes do Regimento Interno da universidade, ao usar "trajes inadequados" e fazer "percursos maiores que o habitual".

Não é preciso pós-graduação em astrologia para perceber que o impacto da decisão não é dos mais auspiciosos para a universidade.

Conseguiram transformar o que já era um pesadelo de relações públicas naquilo que o pessoal das Letras Clássicas chamaria de "defaecatio maxima" -e que o pudor que faltou aos dirigentes da instituição me impede de traduzir.

A provável ação indenizatória que Geisy moverá contra a escola acaba de ter seu valor majorado. A Uniban também deve ter perdido potenciais candidatos a estudante. Eu, pelo menos, pensaria várias vezes antes de matricular meus filhos numa faculdade que busca proteger um bando de arruaceiros atacando o elo mais fraco.

A estratégia de culpar a vítima é bem conhecida. Se uma garota foi estuprada, ela é pelo menos parcialmente responsável por seu destino: de alguma forma, provocou o estuprador, seja por utilizar roupas insinuantes, seja por meio de atitudes libidinosas. Afinal, nada acontece "de graça".

A psicologia explica tal atitude como um autoengano que visa a nos manter em posição de controle: se eu não me comportar "mal" como a "vítima", não estou sujeito ao mesmo risco. Tal operação mental nos permite persistir na crença de que o mundo é um lugar justo. Não é, como a Uniban acaba de demonstrar exemplarmente.

Por HÉLIO SCHWARTSMAN

Publicado na Folha de S. Paulo, Caderno Cotidiano, em 8 de novembro de 2009.

_________________________________________

Subscrevo a análise de Hélio Schwartsman. De fato, não devem ter mesmo chamado o Departamento de Marketing para opinar no caso. A consulta deve ter sido feita ao Departamento Financeiro e a lógica que prevaleceu é a aquela que diz o seguinte: o cliente tem sempre razão. Entre expulsar uma aluna e desagradar um monte de alunos bárbaros e incivilizados, a Uniban pensou com a mão no bolso e fez a degola.

Se fosse uma instituição de ensino de verdade, teria no episódio uma oportunidade ímpar de transformá-lo em aprendizado, debatendo a questão da alteridade e da tolerância tão fundamentais nos dias que correm. Poderia aproveitar para propor uma reflexão aos alunos não só sobre ética, mas também sexualidade, gênero e sobre a cada vez mais difícil arte de viver em sociedade respeitando o outro.

A privatização desenfreada do ensino superior mostra os seus frutos amargos e indigestos...

Falta o Ministério da Educação se pronunciar.

Nenhum comentário: